Mártir, perdendo algo que não se pode guardar


Quando esse homen bondoso,Rawlins White, a caminho da fogueira passou pelo local onde sua pobre mulher e filhos estavam aos prantos, sentiu o súbito encontro como uma punhalada no coração e as lágrimas banharam-lhe o rosto. Mas logo em seguida, aparentemente indignado com essa sua fraquesa, passou a comportar-se como se estivesse muito zangado consigo mesmo. De fato, golpeando o peito com suas mãos dizia estas palavras: Ah carne! Tu queres me deter? Gostarias de triufar? Pois bem, faz o que quiseres. Com a graça de Deus tu não teras vitória.
Chegando até o altar de seu sacrifício, indo até a estaca se ajoelhou, e beijou a terra; levantando-se de novo restou algo de terra grudada em sua face, e disse estas palavras: "Terra à terra, e pó ao pó; tu és minha mãe, e ti voltarei".
Quando todas as coisas estiveram dispostas levantaram uma plataforma frente a Rawlins White, diretamente diante da estaca, na qual subiu um sacerdote, que se dirigiu ao povo; porém, enquanto falava da doutrina romanista dos Sacramentos, Rawlins gritou: "Ah, hipócrita branqueado! Tu presumes de demonstrar tua falsa doutrina pela Escritura? olha o que diz o texto que segue: Acaso não disse Cristo 'Fazei isto em memória de mim'?"
Então alguns dos que estavam perto dele gritaram: "Acendei o fogo, acendei o fogo!". Feito isto, a palha e as canas deram uma grande e subida labareda. Nesta chama este bom homem banhou durante longo tempo sua mão, até que os tendões se encolheram e a gordura se desfez, exceto por um momento em que fez como se enxugasse o rosto com uma delas. Todo este tempo, que se prolongou bastante, clamou com forte voz: "Oh, Senhor, recebe meu espírito!", até que já não pôde mais abrir a boca. Finalmente, a violência do fogo foi tal contra suas pernas que ficaram consumidas quase antes que o resto do corpo fosse danificado, o que fez com que o corpo caísse sobre as correntes até o fogo antes do que teria sido normal. Assim morreu este bom homem por seu testemunho da vida de Deus, e agora está indubitavelmente recompensado com a coroa da vida eterna. Cardiff,1555

Elisabeth cooper foi condenada à fogueira juntamente com Simon miller. Quando o fogo a atingiu, retraindo-se um pouco ela soltou um grito: ― Ah! ― Ao ouvir-lhe a voz, Simon Miller estendeu-lhe a mão e pediu-lhe para que fosse forte e se alegrasse. ― De fato, querida irmã ― Disse ele ― Vamos ter uma ceia gostosa e festiva. ― Então ela aparentemente fortalecida por aquelas palavras, ficou parada e em silêncio como alguém que se alegrava por levar a bom termo o que antes havia começado com extrema alegria. Norwich, 1557

Extraído do Livro dos Mártires
e-book

4 comentários:

Por Ele. disse...

Geração de mátires!

E agora?

De medíocres?

Não...

De arrependidos!

Amém.

Kennedy Lucas disse...

Você foi premiado com o premio Butterfly Award.
Passa lá no http://geracaorenovada.blogspot.com.

Lucas Louback disse...

Poe Ele

Que possamos nos arrepender De verdade e seguir os Exemplos de nossos Irmãos Mártires

obrigado pelo comentario

Lucas Louback disse...

Kennedy Lucas
obrigado pelo selo

Ficarei em silêncio? Deus não permita!
Ai de mim, se me calar.
É melhor morrer, do que não me opor diante
dessa impiedade, que me faria participante da
culpa do inferno.


John Huss