Aos chamados ao ministério, Indico


Não há, porventura, nas memórias que lemos sobre Branerd, muita coisa que ensine e estimule ao serviço, a nós que fomos chamados para a obra do ministério, bem como todos os candidatos a essa grande obra? Ele parecia ter um profundo senso da grandiosidade e importância dessa obra, que pesava tanto sobre sua mente! Quão sensível era ele quanto a sua própria insuficiência para essa obra, e quão grandemente dependia da suficiência de Deus! Quão diligente se mostrava em estar qualificado para a mesma! E com esse alvo quanto tempo passava em oração e jejum, como também na leitura e na meditação, dedicando-se a essas coisas! Ele consagrou a sua vida inteira, todos os seus talentos a Deus; e olvidou e renuncio ao mundo, com todos os seus aprazamentos agradáveis e sedutores, a fim de que pudesse liberta-se totalmente para servi a Cristo em sua obra e agradar Àquele que o escolhera para ser um soldado sob a autoridade do Capitão da nossa salvação... E quanto o seu coração parecia constantemente envolvido, o seu tempo bem empregado e todas as suas forças gastas na atividade para qual foi chamado e publicamente separado! A história de David Branerd mostra-nos como podemos obter êxito na obra ministerial.

Jonathan Edwards, A Vida de David Branerd, pg 23 Editora Fiel

Compre

5 comentários:

Express Arte disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Express Arte disse...

Olá Lucas, gostei da indicação!
Essa semana retornei a leitura do livro: Heróis da fé e passei pela vida...Muito bacana seu blog!


Abraço,
Shelle=0)

Express Arte disse...

completando rsrs...e passei pela vida dele!;0)

Por Ele. disse...

Seremos reconhecidos não pela renúncia somente, mas pelo AMOR!

Que esse seja nosso guia...

João Vitor disse...

Mt boa a indicação...estou o lendo...heheheh... o livro do lukas ateh...ehhehehe :) mt bom mesmo...em breve devo postar um texto no blog com umas paradas interessantes do livro...

abraço a todos

Ficarei em silêncio? Deus não permita!
Ai de mim, se me calar.
É melhor morrer, do que não me opor diante
dessa impiedade, que me faria participante da
culpa do inferno.


John Huss