Crônica do Semeado (para você missionário)


Lendo a parábola do semeador e o salmo 126 lembrei-me de muitos amigos e vários missionários . Veio forte a cena dos semeadores de hoje. Aqueles que falam de Jesus, visitam de casa em casa, servem o caído, cuidam do enfermo e enfrentam seus medos.

Alguns lutam a vida inteira contra problemas maiores que eles. É a seca do sertão que causa fome, miséria e exclusão social, do corpo e da mente. As famílias carentes e outras sem teto que parecem se multiplicar a cada dia nas grandes cidades. A enfermidade e grandes epidemias que assolam, sem piedade, justamente os lugares com menos assistência de saúde.

Alguns trabalham longe, aprendendo línguas complexas, estudando a cultura de um povo diferente, com clima diferente, sempre mais um lugar a chegar e uma nova barreira a ultrapassar. Outros trabalham perto, lutam nas selvas de pedra. Seu povo não alcançado encontra-se em condomínios fechados, no frenesi das ruas, hospitais lotados, escolas e cárceres. Falam de Jesus e saem de casa orando por oportunidades diárias – e não as perde.

O salmo 126 nos fala sobre a relação entre a caminhada e o choro. Quem sai andando e chorando enquanto semeia voltará para casa com alegria trazendo seus feixes, o fruto do trabalho. Para cumprirmos o ministério que Jesus nos confiou é necessário andar e chorar.

E é certo que muitos fazem ambas as coisas. Tantas idas e vindas, caminhos incertos, a impressão de que há sempre mais um passo a dar, alguém a ajudar, uma pessoa a evangelizar. E as lágrimas, que descem abundantes com a saudade que bate, a enfermidade que chega, o abraço que não chega, o fruto que não é visível, o coração que já amanhece apertado, o caminho que é longo demais.

Creio que temos andado e chorado. Mas voltaremos um dia, trazendo os frutos, apresentando ao Cordeiro e dando glória a Deus! Poderá ser amanhã, ou em algum momento ainda distante. Mas ainda não é hora de voltar. É hora de seguir, andando e chorando, com alegria no coração e sabendo que não trocaríamos esta viagem por nenhuma outra na vida. O grande consolo e motivação é que não andamos sós. Ele está conosco. E maior é aquele que está em nós. Portanto, não desistimos, olhamos o horizonte que se aproxima e trazendo á memoria o que pode nos dar esperança.

Guarde seu coração enquanto anda e chora. Não perca a alegria de viver e caminhar, nem a mansidão, nem a oração, ou o humor, ou o amor. Não deixe de semear mesmo quando está difícil. Lance a semente em todas as terras. Uma semente há de germinar e talvez a mais improvável. A que menos promete. Não dê ouvidos áquele que diz que não vai acontecer porque a terra é árida, você é incapaz, o povo nunca muda, o problema é grande demais, o sol é forte, o vento está chegando. Lance a semente.

Lançamos as sementes que o Senhor nos deu e quase sempre há um preço alto a pagar, por isto choramos enquanto semeamos. Tenho observado os semeadores. Uma enfermeira brasileira atendeu 221 pessoas em um só dia na África sob um calor de 42 graus durante 17 horas ininterruptas. Era uma epidemia que chegava e os próximos dias seriam mais difíceis.

No marrocos, um missionário Britânico, para trabalhar com os moradores de lixo, passou também a viver no lixo, durante anos e anos. Um jovem Ganense viajou todo seu país alertando sobre a AIDS, de bicicleta e só com um sorriso nos lábios. Era ele mesmo portador do HIV. Um pregador de rua, falando em uma praça em Manaus, incasanvél, durante horas em uma segunda-feira á tarde. Gritava e dizia: hoje é meu dia folga, e estou aqui e não em casa, porque vocês são importantes para Deus.

As sementes são diferentes. Para lança-las é preciso chorar, pois frequentemente, há um preço a pagar. Um pagou com o suor, o outro com único dia de folga. Pague o preço, lance a semente e sirva a Jesus. Abraçe o que também anda e chora que está ao seu lado. Ele talvez se sinta só e pense que é o único que chora enquanto caminha.

Andar e chorar é cumprir a missão. É também um grande privilégio. Um dia você voltará... mas talvez não seja hoje. Se você pensou em desistir da sua caminhada e o coração abatido, não encontra mais prazer em semear, olhe para o alto e faça um compromisso com seu Deus: mesmo chorando, andarei um pouco mais! Sim, haverá o dia de voltar... mais ainda não chegou. Na força do Senhor continue a caminhar... e chorar... e semear... e sorrir, porque estamos aqui, na lavoura do Pai. Não há lugar melhor.

Plantando Igrejas de Ronaldo Lindório - Ed Cultura Cristã

2 comentários:

Aline Ramos disse...

Que lindo! Que grandes verdades! Tem uma música que desde minha adolescência fala profundamente ao meu coração e a esse chamado de Deus de perder tudo, perder nossas vidas, para que possamos ganhar algo ainda melhor e maior! Digo que ela é MINHA música! =P É o que o Senhor tem me chamado a viver. Ainda há MUITO (mais MUITO MESMO) a fazer, e ainda me sinto tão pequena por fazer tão pouco. Mas estou andando, e também chorando tantas vezes. Espero ainda andar muito mais e chorar muito mais, até que chegue a hora de voltar sorrindo. :)
A letra é do Pe. Zezinho e o título é "Cidadão do Infinito". Eis a letra:

"Por escutar uma voz que disse
Que faltava gente pra semear
Deixei meu lar e saí sorrindo,
E assobiando pra não chorar.
Fui me alistar entre os operários
Que deixam tudo pra te levar
E fui lutar por um mundo novo,
Não tenho lar mais ganhei um povo.

Sou cidadão do infinito,
Do infinito, do infinito,
E levo a paz no meu caminho,
No meu caminho, no meu caminho.

Eu procurei semear a paz
E onde fui andando falei de Deus,
Abençoei quem fez pouco caso
E espalhou cizânia onde eu semeei.
Não aceitei condecoração
Por haver buscado um país irmão,
Vou semeando por entre o povo
E vou sonhando este mundo novo."

Maya Postigo disse...

Muito bom esse post, eu tenho 20 anos, e desde os 18 decidi me entregar integralmente ao Senhor e a essa semeadura, hoje fazem 6 meses que vim para os EUA fazer um seminário aqui pela igreja Videira(www.videiraflorida.com), e vejo como é real isso, hoje plantamos em terrenos que não sabemos qual é, mais investimos em pessoas, damos tudo que temos por AMOR a vidas, meu sonho é ser MOCHILEIRA e poder proclamar essa liberdade de Cristo por onde eu for, Deus disse que me daria as Nações por herança e eu creio na Promessa.. Aqui as coisas não são faceis, mais eu não olho o improvavel eu vejo as coisas provaveis, não olho apenas os FATOS, enxergo a realidade e isso me motiva a proceguir.. Nunca desista.. Que o nosso desejo seja para que Jesus volte logo, sabendo que isso só vai acontecer quando fizermos nossa parte, então vamos correr e fazer nossa parte para nos encontrarmos com nosso amado o mais rápido possivel.. Não vejo a hora..!!!

Ficarei em silêncio? Deus não permita!
Ai de mim, se me calar.
É melhor morrer, do que não me opor diante
dessa impiedade, que me faria participante da
culpa do inferno.


John Huss