Autodestruir


“Uma grande civilização não é conquistada de fora até que tenha destruído a si mesma por dentro”
W. Duran

O cristão que pensa ser auto-suficiente é visto aos olhos de Deus tão ridículo como uma mão sem dedos, pode até ser que continue sendo considerada uma mão, mas já não terá utilidade nenhuma.
A verdade é que todos nós precisamos de amigos, talvez até mais do que imaginamos, independente de estarmos em uma posição de destaque ou não. Nós precisamos ter com quem compartilhar quem somos de verdade, há coisas sobre você que sua esposa, marido ou pais não vão compreender por não terem sempre participado do contexto mais próximo da sua vida como um velho amigo de muitos anos.
Como os amigos cristãos verdadeiros são preciosos! E como eu sou grato a Deus por ter ao meu redor amigos cristãos que falham, erram comigo, muitas vezes me perdoam e não desistem de mim, porque são nessas coisas mesmo que o amor é provado verdadeiro, pois ama de verdade aquilo que conhece, não o que se imagina ou por ignorância finge se conhecer. “Jesus”, mesmo sabendo quem Judas era e o que estava para fazer, “perguntou: ‘AMIGO, o que o traz? ’”.
O amor verdadeiro não se engana para amar.

Essa verdadeira amizade baseada no amor que Deus nos revelou através de Cristo e que era e é a característica dos homens que nasceram de novo e são novas criaturas, está cada vez mais rara mesmo entre os cristãos mais sinceros e conhecedores das Escrituras, Thomas Hall escreveu: "Formalidade, formalidade, formalidade é o grande pecado da Inglaterra nestes dias, sob o qual a nação se curva. Há mais luz do que havia, mas menos vida; mais aparência, mas menos substância; mais profissões, mas menos santificação". Hoje no Brasil vemos uma igreja muito grande em termos de número e métodos mas muito pequena em relação àquilo que ela foi chamada a fazer: “ministrar”, que de certa forma é levar os irmãos a colaborarem no crescimento espiritual uns dos outros e da comunidade, de várias maneiras com seus próprios dons; um dos propósitos da pregação é equipar-nos a fazer isso, e inspirar-nos e motivar-nos a amar uns aos outros da melhor forma. Com um plano simples de estar ligado a Deus com o nosso serviço, de liderar um pequeno grupo na comunidade, de viver usando nossos dons e paixões e passar a nossa fé àqueles que não conhecem a Cristo.
Acho que Thomas ilustra muito bem a falta de relacionamentos profundos e reais entre as pessoas na igreja de hoje; porém, ao contrário de muitos, não creio que o problema esteja na placa com o nome de alguma denominação na entrada do local de reunião, ou mesmo na forma de como o culto é celebrado em conjunto ou nos ritmos e instrumentos musicais americanos e europeus que enchem esses tipos de reuniões que não tem muito a ver com nossa cultura... Esses são só reflexos do formalismo que está no coração das pessoas. Pode-se até mudar o local de culto para as casas, o ritmo das músicas, a ordem do culto, mas no fim das contas o sistema vai continuar o mesmo, porque o problema está nas pessoas antes de estar no resto. O problema do relacionamento na igreja vai muito além da tradição ou dos usos e costumes, nós nos esquecemos que a bíblia é o livro, ou manual, de como devemos nos relacionar, seja com Deus, com nós mesmos, com os nossos semelhantes, com a natureza e com o nosso medo da vida, encontramos nela resposta pra tudo isso, mas é preciso procurar.
A igreja é destruída no silêncio, para com Deus e no silêncio para com os homens.
A igreja é destruída no silêncio para com Deus nas nossas orações que já não existem, ou se existem não são da forma como ele nos ensinou; a igreja é destruída no silêncio da voz de Deus dos púlpitos por causa da negligência à sua Palavra que hoje é facilmente trocada por qualquer dado de psicologia barata e, por fim, é destruída no silêncio sorridente e de conversas rasas e hipócritas de um membro para com o outro. A igreja de hoje é o único barco em que você pode morrer afogado a bordo fingindo que não está se afogando e sendo observado por pessoas que fingem não ver você se afogar. Mas isso não pode continuar assim, não existe evangelho sem relacionamento com o próximo, como William Barclay escreveu:
“O Novo testamento está cheio da alegria daquilo que pode ser chamado “fraternidade”. É uma alegria até mesmo ver semelhante comunhão. Paulo escreve a Filemon dizendo-lhe da alegria e conforto que recebeu do amor de Filemon e ao ver modo pelo qual os santos foram reanimados pelos cuidados amorosos dele (Fm 7). Num famoso ditado, os pagãos olhavam para igreja cristã e diziam: “Vede como os cristãos amam-se mutuamente.” Nunca deve-se esquecer de que uma das maiores influências na evangelização do mundo é a visão da verdadeira comunhão cristã, e uma das maiores barreiras à evangelização é a visão de uma igreja onde a comunhão está perdida e destruída.” É uma alegria maior desfrutar da comunhão cristã. Alegra o coração de Paulo o fato de seus amigos em Filipos terem se lembrado dele com suas dádivas (Fp. 4:10). Ver a comunhão cristã é algo glorioso, estar envolvido nela é mais glorioso ainda. É uma alegria ver a comunhão cristã restaurada. Quando Tito voltou da igreja perturbada de Corinto com a notícia de que o problema havia sido solucionado e a comunhão restaurada, Paulo alegrou-se (2 Co 7.7,13). É uma alegria experimentar a comunhão restaurada. O Novo testamento mostra a alegria de alguém ao reencontrar-se com amigos. João espera que se encontrará outra vez com seus amigos, e então sua alegria será completa (2 Jo 12).
No Novo Testamento, não existe vestígios da religião que isola o homem do seu próximo. O Novo testamento mostra vividamente a alegria de fazer amigos, conservá-los e reencontrá-los, porque a amizade e a reconciliação entre um homem e outro refletem a comunhão e a reconciliação que há entre o homem e Deus.”

É esse tipo de amizade no amor e graça trazidos no evangelho de Cristo que salva as pessoas delas mesmas, do mundo, do inferno e da ira de Deus, e também nos leva a importar com o próximo que está além dos “muros de Jerusalém”, aqueles que estão semimortos na estrada para Jericó e nos dão a oportunidade de sermos bons samaritanos ou sacerdotes e levitas corruptos. Li uma entrevista com Ariovaldo Ramos que é muito interessante e mostra o ponto de vista de um cristão de maneira bem prática, a entrevista tem o título “Um pastor ao lado de Hugo Chávez”, veja:
“A gente reduziu o Evangelho a uma questão de salvação pessoal, que não tem nenhuma implicação com o próximo, fica só um relacionamento particular entre o camarada e Deus. Um relacionamento que foi involuindo. No começo a pessoa ainda se convertia e virava servo de Deus, e aí era um negócio intimista, pessoal, mas ele queria ser santo, queria fazer a vontade de Deus, reconhecia que era filho, que tinha sido perdoado por seus pecados. E isso gerou um bocado de santo na história da Igreja. Mas aí a coisa involuiu. Continua sendo particular, pessoal, só que ao invés de ser servo de Deus, Deus que é servo dele. E aí, quer ser abençoado, vem à reunião para buscar sua bênção. O santo do passado não incluía o próximo na sua salvação, mas por querer ser servo de Deus, acabava amando o próximo. Esse agora nem inclui e nem ama, entendeu? Então, está faltando sim, nós não temos Teologia Política. A gente não tem a menor idéia de que o Evangelho é a recuperação do conceito de humanidade, e muito menos qual é o conceito de humanidade nas Escrituras.
O que me levou a assinar o manifesto foi, primeiro, que o Hugo Chávez é um camarada democraticamente eleito. Ele foi deposto pela oligarquias e foi reconduzido ao poder pelo povo. Depois, tendo ido lá eu pude assistir in loco que ele realmente está fazendo uma revolução social. Ele está trabalhando pela erradicação da pobreza mesmo, construindo escolas, trouxe 10 mil médicos de Cuba que moram nas favelas e cuidam das pessoas que moram ali. Aí as pessoas dizem "é, mas ele trouxe médicos de Cuba e tal". Sim, mas de que outra nação ele ia trazer? Quem mais no mundo está disposto a esse nível de sacrifício? Deviam ser os americanos, que se dizem crentes, protestantes. Deviam ser os ingleses, que se dizem protestantes, deviam ser os alemães, que se dizem luteranos. Deviam ser os escandinavos, que são luteranos, que é tudo crente, tudo protestante, tudo gente boa. Mas parece que Jesus Cristo está enfrentando a mesma situação que enfrentou quando foi fazer a Ceia e teve de pedir para um grupo que não era seu discípulo. Quando foi entrar em Jerusalém e mandou seus discípulos buscarem o jumentinho num grupo que também não era seu discípulo, que os discípulos não conheciam. Então parece que Jesus tem gente que O segue e os Seus discípulos não conhecem. Aí os caras falam assim "é, mas justo os cubanos?". É, os cubanos porque os cristãos não vão, né? Os cubanos porque os caras que têm a Bíblia na mão não fazem isso, os caras com Bíblia na mão querem ficar ricos. Então tem de ir essa gente. Que pena que essa gente não está no nosso meio. A outra coisa que eu ouvi, segundo o pastor com quem conversei, é que 80% da Igreja evangélica na Venezuela está com Hugo Chávez. Perguntei ao pastor o motivo. Ele disse: "porque a Igreja evangélica é pobre, e os pobres estão com o Chávez". Perguntei pra ele o que era a Venezuela antes do Chávez e ele disse: "era uma grande fazenda dominada por 30 famílias". Perguntei como era essa coisa do dinheiro, porque afinal de contas a Venezuela tem 80 bilhões de barris de petróleo de reserva, então um país que tem tanto petróleo não pode ter pobreza. Aí ele disse: "entrou aqui na Venezuela nos últimos 25 anos o equivalente a 12 planos Marshall [ajuda americana para reconstruir a Europa depois da 2ª Guerra Mundial], mas 70% da nossa população está na pobreza total". Como não apoiar um sujeito que diz "vamos mudar isso"?. Vamos mudar isso, pelo amor de Deus! ...”
publicada originalmente no site Teologia Brasileira

É claro que eu não espero que alguma comunidade cristã seja perfeita de forma instantânea, a restauração da alma é um processo de aprendizado: o espírito que estava morto ressuscitou e a alma estava mal acostumada. O nosso espírito estava morto e quando ele ressuscita encontra uma alma cheia de doenças que começam pelos conceitos errado e que passam por sentimentos inapropriados e tudo isso precisa ser curado. Todos precisamos ser curados das doenças das nossas almas e a comunhão ou amizade real tem um papel enorme em tudo isso, pois através dela eu posso me enxergar através dos olhos do meu irmão e amigo.
Esta música de Renato Russo tem um trecho que relata uma realidade que eu vivi ultimamente quando estávamos em alguns conflitos entre nós aqui que nos reunimos como igreja, diz assim:
“Nos perderemos entre monstros
Da nossa própria criação
Serão noites inteiras
Talvez por medo da escuridão
Ficaremos acordados
Imaginando alguma solução
Prá que esse nosso egoísmo
Não destrua nosso coração.

Será só imaginação?
Será que nada vai acontecer?
Será que é tudo isso em vão?
Será que vamos conseguir vencer?
Brigar prá quê?
Se é sem querer
Quem é que vai
Nos proteger?
Será que vamos ter
Que responder
Pelos erros a mais
Eu e você?”
Tenho aprendido a cada dia mais valorizar minhas amizades em Cristo e conservá-las pagando o custo do sacrifício na direção do meu próximo, tem sido difícil, às vezes penso em desistir então eu lembro do que o salmista profetizou em Salmos. 88: 8, 18
“Afastaste de mim os meus melhores amigos e me tornaste repugnante para eles. Estou como um preso que não pode fugir;
Tiraste de mim os meus amigos e os meus companheiros; as trevas são a minha única companhia.”
Que se cumpriu em Mateus 26: 56b
“’Mas tudo isso aconteceu para que se cumprissem as Escrituras dos profetas’. Então todos os discípulos o abandonaram e fugiram.”
Então me vêm à memória que Jesus logo no início do derramar do cálice da ira de Deus, quando estava começando a sofrer as agonias do inferno que eram para nós, ele foi abandonado por todos seus amigos próximos e, mais tarde, depois do triunfo da ressurreição quando a ira de Deus já havia sido consumada sobre Ele, os retomou como irmãos. Isso me mostra o valor da amizade, do perdão, do amor ao próximo dos dois lados, tanto na retirada dos amigos quanto na retomada dos irmãos. Os discípulos abandonaram um Cristo que os amava e chamava de amigos e foram encontrados por um Cristo que continuava amando-os e os chamava de irmãos. Assim como nosso Mestre nós somos o povo que triunfa no sacrifício e que continua amando quando as circunstâncias nos dão respaldo ao ódio.
Em Cristo, podemos viver esse processo maravilhoso, profundo, complexo e edificante que constrói coisas divinas em nossas almas nos transformando a imagem dele mesmo, transformando a “igreja” dos homens, como dizem alguns, na igreja de Deus.
Só quando aprendermos a amar e a nos relacionar como Cristo, nosso exemplo em todas as coisas, a nossa “nação cristã”, a igreja, não será destruída por si mesma.

João Vítor

6 comentários:

Aline Ramos disse...

Eras, João, quase não tenho conseguido acreditar no que tenho lido por aqui, naquilo que o Senhor tem operado na sua vida e que você tem compartilhado nos últimos posts. Incrível! Na verdade, desde o post do "Ministério da Noite", cada vez que passo por aqui (nos últimos 2 ou 3 posts), sou mais surpreendida por Deus: é exatamente o que Ele está fazendo por aqui! Incrível! Posso dizer que tenho compartilhado desses aprendizados aí: desde descobrir o valor das Noites; descobrir o orgulho escondido por trás de muito conhecimento, que pode (e acaba) gerar vaidade, deixando a lacuna do Amor; até agora, descobrindo o valor da amizade, e como precisamos tanto dela! Que processo! Descobrir que andar só é um grande engano, precisamos dos outros, até para nos defender de nós mesmos e nossas inclinações de vaidade e orgulho... Tô descobrindo isso... sendo tirada de um tempo só, para um tempo em comunhão com os irmãos, um tempo de restauração de amizades, de reaproximação... Como é bonito ver que o Senhor cuida do Seu Corpo como um Todo, e quantas coisas compartilhamos uns com os outros, e vivemos em comum... Membros do mesmo Corpo! Isso é muito lindo! Toda glória seja dada a Deus, em Cristo, por Sua infinita bondade e misericórdia conosco, nos ensinando todas essas coisas... Feliz por ter estado aqui, lendo todas essas palavras... Que a Graça do Senhor esteja contigo sempre! ;)

Simone Caetano disse...

Faço minhas as palavras da Aline , o texto mexeu com "minhas verdades" e destruiu algumas mentiras , divulguei o texto por e-mail , twitter e gostaria de pedir autorização para divulgar no meu blog ... abençoador !!!

O END DO blog é www.sicaetano.blogspot.com

No amor dele .

Simone

Indara disse...

To pasma...
Essa semana ainda..tive problemas com um amigo..ele me pediu perdão..mas ta bem complicado..eu perdoei mas não consigo esqueçer o que ele me fez...esse post veio na hora certa..pra afirmar o que Deus vem me dizendo:"Devo amar sempre..e tratar toas as pessoas que me magoam como Ele me trata..com todo amor, carinho e compaixão"..
Tá bem complicado..mas creio que Deus vai me dar graça...
Glórias a Ele por estar te usando João!
Paz

João Vitor disse...

Poxa, estou quase sem palavras aqui na frente do computador... Peço que orem por mim mesmo, preciso muito da oração de vcs... às vezes é tão dificil perseverar na obra que Deus está fazendo... ainda mais quando as pressões do mundo vem sobre nós.. as únicas coisas que tenho hoje são o dia e a noite, que mesmo assim só desfruto pela permissão misericordiosa de Deus...

Os comentário me encorajam muito a continuar escreven, selecionando e traduzindo textos para a edificação de vcs!

Muito obrigado pelos comentários, vcs tem permissão para postarem nos seus blogs qualquer texto daqui, só peço que cite cite a fonte se possível... Deus abençoe vcs mulheres!

Aline nos vemos em breve..hehehehe :-)

Aline Ramos disse...

Sabe de uma coisa, João... às vezes a gente pensa em pessoas como você, parte da "galera da 180º", uma galera que (pelo menos na minha vida) tem sido referência nesta geração, uma galera em quem acredito e no meio da qual vejo o direcionar de Deus, e acabamos achando que pessoas como vocês não tem problemas, não tem "Noites", e são sempre as pessoas que devem ORAR POR NÓS, e nunca aquelas por quem NÓS DEVEMOS ORAR... que engano, não é mesmo? Isso é algo que tenho entendido cada dia mais em Deus: nós somos todos uma coisa só! Cada um daqueles que Ele tem chamado e levantado é parte de uma só coisa: O CORPO DE CRISTO...

“ (...) há SOMENTE UM CORPO e UM ESPÍRITO, como também fostes chamados numa só esperança da vossa vocação; há UM SÓ SENHOR, UMA SÓ FÉ, UM SÓ BATISMO, UM SÓ DEUS E PAI DE TODOS, o qual é SOBRE TODOS, age por meio de TODOS e ESTÁ EM TODOS.” (Ef. 1. 4-6)

E é isso que somos! Como um Corpo, temos as mesmas lutas, compartilhamos de noite semelhantes, e cada um de nós precisa lutar para atravessá-las... que engano pensar que é mais fácil pra um do que pra outro, não é? É o mesmo Espírito que habita em cada um de nós! E realmente não é fácil pra nenhum daqueles que tem buscado viver na Verdade! Mas, sabe, também é bom descobrir que não existem "super-heróis"! Estamos juntos nessa, e devemos lutar uns pelos outros!

Estarei orando por você... permaneça firme que nossa luta não é em vão! Há muitos outros soldados feridos por aí, mas o Senhor é quem cura todas as nossas feridas, e é Ele quem nos capacita pra batalha tbm!

Sim, a gente se encontra por aí em breve, se Deus quiser! ;P

João Vitor disse...

É verdade Dona Aline!

:-)

Sou eternamente grato!

Ficarei em silêncio? Deus não permita!
Ai de mim, se me calar.
É melhor morrer, do que não me opor diante
dessa impiedade, que me faria participante da
culpa do inferno.


John Huss