Minha opinião sobre a igreja que se esconde na perseguição


Será que a igreja, em circunstâncias angustiosas política ou socialmente, deve permanecer oculta, para evitar a possibilidade de ser erradicada por forças hostis ao cristianismo? Ou será que o confronto aberto com a ignorância e privação espiritual predominante, mesmo que produza mártires cristãos, tem mais possibilidades de conduzir a avanços evangelísticos? Os fundamentalistas islâmicos proclamam que sua revolução espiritual é alimentada com o sangue de mártires. Podemos concluir que o fracasso do cristianismo de invadir o mundo muçulmano deve-se à ausência nítida de mártires cristãos? E será que a comunidade muçulmana pode levar a sério as alegações de uma igreja que se esconde?[...] A pergunta não é se às vezes é sábio manter o culto e o testemunho discretos, mas quanto tempo isso pode continuar até nos tornarmos culpados de ‘’ocultarmos nossa luz sob um cesto’’. O relato nos mostra que, de Jerusalém a Damasco e de Éfeso a Roma, os apóstolos foram surrados, apedrejados, cercados e de conspirações e aprisionados por causa do seu testemunho. Convites foram raros, e nunca a base para suas investidas missionárias.
George Otis (The last of the giants)

Um comentário:

Alvaro disse...

quanto mais eu descubro a vontade de Deus menos eu quero viver!

Ficarei em silêncio? Deus não permita!
Ai de mim, se me calar.
É melhor morrer, do que não me opor diante
dessa impiedade, que me faria participante da
culpa do inferno.


John Huss