Sua religião se tornou uma profissão?



Um dos maiores desafios do homem moderno está em vencer seu tempo e se livrar de sua rotina, o homem se enfiou dentro de um claustro, dentro de um sistema criado por si mesmo que por fim estar dentro de outro sistema chamado ‘’mundo’’, suponho que isso se origina devido a um avanço tecnológico, uma globalização e principalmente devido a uma era capitalista, pessoas criam falsas cobranças dentro de si e se esforçam para darem suas vidas a essas cobranças, a influência disso não precisa nem se comentar, para alguém que tem uma mente aberta e um senso crítico saberá que o marketing desenvolve uns 70% (fonte: eu observando eu mesmo e pessoas) pode se dizer também que se origina de invejas ganâncias e daí vai à lista. O problema é o que essas cobranças fazem com as pessoas é incrível a capacidade com que homem chega a ser tão bitolado.

E com o que ele se ocupa? A maior parte das vezes é com o seu próprio trabalho seus estudos e até mesmo com seu ócio na frente de uma tela, ele se corrói se desgasta em sua rotina às vezes nem percebe que está em uma rotina, tudo isso pra que? Para alcançar suas cobranças, impostas por uma sociedade, e indo, mas longe chega certo ponto que não existe nem, mas ‘’sonhos’’, chega há um estado que não existe, mas objetivos vive para o sistema, para a matrix alimentando-a sustentando-a, manipulado e alienado uns vive sendo torturados pela sua consciência sabendo que um dia se aposentarão vejamos o que Henri Nouwen nos diz desses:

Na nossa sociedade orientada para a produção estar atarefado ou ter uma ocupação tornou-se uma das principais formas se não a principal, de nos identificar. Sem uma ocupação, não só nossa segurança econômica, mas nossa própria identidade é ameaçada. Isto explica o grande temor com que muitas pessoas enfrentam a aposentadoria. Afinal o que são depois de não ter uma ocupação?

Não descarto outro grande grupo os que estão corroídos pelas suas ocupações aguardam ansiosamente sua aposentadoria aguardam para morrer jogando baralho e dominó com seus velhos amigos rumo ao inferno, mas isso não é de se surpreender afinal é o mundo do que estamos falando. O que me intriga mas não é o estado que o homem chegou afinal fomos concebidos em pecado ele faz parte do sangue do homem, e nada mas do que o interesse pelo mundo e suas coisas ilusórias.

O que realmente me intriga é a maneira como os cristãos têm conduzido suas vidas digo que uma boa parte tem levado suas vidas religiosas de uma forma muito profissional impressiono como o evangelho para muitos tem se tornado um fardo pesado e imposto por patrão. (Atos 15:10) Agora, pois, por que tentais a Deus, pondo sobre a cerviz dos discípulos um jugo que nem nossos pais nem nós pudemos suportar?
Lembro da igreja da qual fazia parte e como minha vida espiritual se tornou um fardo como me tornei um profissional do evangelho minha rotina era:

Segunda óh um dia livre, terça célula, quarta culto (tinha que chegar cedo para orar junto com o ministério de intercessão após orar tinha que descer para ligar o som e operar durante o culto) quinta as 7:00 dirigia uma consagração, sextas vigílias (às vezes operava o som), sábados redes programadas Domingo culto das 17:00 operava o som as 19:00 subia para o ministério de intercessão ufaaa... Fim da semana. E sem falar dos outros ministérios de que fazia parte

Bom isso não é o que acontece na vida de muitos ‘‘crentes’’? Não é muito diferente do que ocorre no mundo, os religiosos que olham exteriormente para esses tipos de pessoas encontram nelas o ‘’futuro’’ da igreja o novo pastor ou missionário ou sei lá o que, e na verdade podem até se tornarem, e servirão bem a instituição religiosa que é devota.

Eu realmente estava me matando para agradar a quem? Deus? Duvido. Os desejos de agradar estavam voltados para os líderes que tinham uma ótima posição de patrões os ministérios que se assemelhavam com setores de trabalho e a empresa não precisam nem falar qual era a semelhança, meu desejo era fazê-la crescer para honra e glória do homem. Não querendo generalizar, mas é isso que ocorre na vida de inúmeros cristãos espalhados em nossa nação basta conversa um pouco com alguns para perceber o fato, não digo somente dos cristãos institucionalizados, mas também daqueles que carregam um novo nome de uma nova ‘’vertente’’do cristianismo, o profissionalismo do cristianismo está semeado em muitos, e isso tem sido, mas uns dos males que tem destruído muitas pessoas.

O desafio não é largar tudo levando para um extremo contraditório a bíblia, se escondendo do serviço que é necessário na vida cristã, pelo contrário sabemos que existi muito trabalho necessário, quando falo de trabalho não estou me referindo aos novos serviços eclesiásticos criados pela atual ‘’igreja’’ que são totalmente inúteis só servem para encher lingüiça, falo do real serviço, aquele que é exercido na escola na indústria na igreja no comércio, nas ruas etc. Em fim não fugindo dos nossos afazeres é a maneira como os conduzíamos é que nos diferencia de crentes profissionais de simples cristãos, as ocupações enchem completamente as vidas de modo que impede o Espírito de nos renovar, conseqüentemente isso gera uma morte e a vida cristã fica altamente farisaistica, pode estar cheia exteriormente, mas dentro está vazia.

Cristo nos fala em Mateus 11:30 que seu jugo é suave e o seu fardo é leve, entendemos com isso que a vida cristã não é uma profissão cansativa desgastada pesada como se é visto, o único modo de pedir demissão desse ‘’emprego’’ que a falsa religião aprisiona é mantendo um relacionamento com o mestre sendo renovado pelo Espírito, amigo por, mas que sua vida esteja cheia exteriormente, de afazeres ministeriais ou do cotidiano por, mas religiosos ou espirituais que elas parecem ser, se não houver uma comunhão com Deus de nada é valido e sua vida não passa de algo profissional com aparência espiritual.

Para mantermos uma vida espiritual está unicamente no tempo reservado para Deus diariamente por mas difícil que isso pareça ser a única maneira é nos afastarmos dos nossos afazeres por um momento nem que seja por 15 minutos diários a sós com Deus se houver ausência deste hábito rapidamente a vida cristã ser torna algo obrigatório rotineiro e pesado, e a morte espiritual virá, por isso vivam vidas espirituais sem obrigações e legalismo sem se forçarem espirituais não é nisso que é baseado uma fé genuína, mas sim no entendimento de uma graça que nos foi concedida, um entendimento que nós por natureza iremos nos inclinar para uma vida rotineira morta como um refugio, mas uma vida assim fica vazia e acaba nos destruindo, por isso busquem viver vidas em comunhão, buscando a Deus separando tempo e perseverando na dedicação em sem fazer, mas um hábito, mas sim buscando ouvir a Deus para sua vida diária

2 comentários:

Polêmica disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Polêmica disse...

Desde criança eu entendo por "trabalhar para Deus" é ganhar almas, evangelizar. Mas, eu já freqüentei igrejas que diziam que trabalhar para Deus era ser líder de um grupo de jovens, ou ser professor de escola dominical, etc...enfim, era ensinado que trabalhar para Deus era ter algum cargo na igreja. Assim como as pessoas temem a aposentadoria pois, se sentirão como um "zero à esquerda" as pessoas da igreja também querem ter cargos para não se sentirem um "zero à esquerda" mas, eu vou ser sincera, eu não gosto de participar de grupo de jovens porque eu não gosto de ficar cantando lá na frente de todo mundo e sempre que tem retiro é em algum clube com piscina e eu não gosto de ir porque eu morro de vergonha de mostrar meu corpo (rsrs)...mas, o fato de eu não querer cantar lá na frente não significa que eu não estou louvando a Deus, eu o louvo ali sentada no meu banco mesmo ué! Quem é adorador de verdade e quem não é, isso só Deus sabe pois, só Ele conhece os segredos do coração!

Eu realmente vejo pessoas que consideram a igreja um empresa e elas são contratadas dessa empresa. Eu continuo achando que trabalhar para Deus é pregar o evangelho e isso qualquer um pode fazer, podemos pregar para nossos amigos, vizinhos, parentes, etc..

Beijinhos!

Ficarei em silêncio? Deus não permita!
Ai de mim, se me calar.
É melhor morrer, do que não me opor diante
dessa impiedade, que me faria participante da
culpa do inferno.


John Huss